A importância da boa escrita na vida profissional

23/03/2016
Imagem retirada de http://fsg.br/blog/como-escrever-bem-ficas-para-melhorar-a-sua-escrita
Imagem retirada de http://fsg.br/blog/como-escrever-bem-ficas-para-melhorar-a-sua-escrita

Há quem diga que prefere Matemática a História. Há também quem se identifique com as matérias de Humanas e não quer nem ouvir falar de Exatas. Mas quando se trata do bom e velho Português, será que temos a opção de não gostar? Já dizia Chacrinha “Quem não se comunica, se trumbica”. E será que nossos profissionais estão se comunicando ou se “trumbicando” na hora de escrever?

Não é difícil encontrar textos mal escritos na internet, mas isso é devido ao uso coloquial da linguagem, ou até mesmo à digitação apressada, ou à falta de atenção, o que é perdoável. O problema acontece quando esses erros são cometidos dentro do ambiente de trabalho em e-mails, ofícios, memorandos ou em outras correspondências formais. É comum haver textos escritos inadequadamente, seja em repartições públicas ou privadas, tendo que ser revisados por diversas vezes. São erros gramaticais e ortográficos, tendo em vista o desconhecimento da norma culta da linguagem. Deparamo-nos com erros de acentuação, crase, ambiguidade, gerundismo, concordância, redundância, grafia e muitos outros.

Mas por que as pessoas escrevem tão mal?   
Segundo o IBGE, no ano de 2014, a taxa de analfabetismo entre os brasileiros com 15 anos ou mais foi de 8,3%. No ano de 2013, esse percentual havia sido de 8,5%, ou seja, observou-se que o analfabetismo está diminuindo gradativamente no Brasil. No entanto, alfabetização não significa letramento, segundo Soares (1998) “um indivíduo alfabetizado não é necessariamente um indivíduo letrado; alfabetizado é aquele indivíduo que sabe ler e escrever; já o indivíduo letrado, o indivíduo que vive em estado de letramento, é não só aquele que sabe ler e escrever, mas aquele que usa socialmente a leitura e a escrita, pratica a leitura e a escrita, responde adequadamente às demandas sociais de leitura e de escrita”.

O problema na alfabetização de base pode se estender para a vida acadêmica e terminar na vida profissional. Além disso, um dos motivos para essa falta de letramento pode estar na ausência de incentivo à leitura desde a infância. Assim como boa parte da população brasileira, muitos profissionais são incapazes de entender e produzir textos na própria área, e isso não se deve a falta do conhecimento especializado, mas ao estudo incipiente do Português. Lembrando que a questão da má formação no ensino de base não é uma regra, existem vários outros fatores que podem levar alguém a não escrever bem.

Por que escrever bem é tão necessário?
Não basta que o profissional se forme para entrar no mercado de trabalho, ele precisa saber se apresentar ao mercado. A boa formação profissional, aliada à correta utilização da linguagem, pode ser um fator de elevação da sua própria imagem. Além disso, saber se comunicar eficazmente pela linguagem oral e escrita pode ser causa de ascensão no trabalho. Uma boa redação transmite sensação de confiança, pode destaca-lo em processos seletivos, um projeto bem escrito pode angariar mais recursos para sua organização, etc.

O profissional tem a opção de escolher qualquer área para trabalhar, a única opção que ele não tem é a de escrever mal. Caso ele tenha dificuldade com a escrita, existem vários cursos disponíveis no mercado. Outra indicação é ler mais, pois é por meio da leitura que podemos desenvolver a criatividade, além da aquisição de cultura. Praticar a escrita também é outro recurso, pois a prática leva à perfeição.

Podemos “trumbicar” de diversas formas durante a vida, mas tente não fazer isso com o Português, pelo bem da sua carreira profissional.

Fonte: Administradores.com, escrita por Lucélia Aguiar